22 de abril de 2008

Caso Nardoni: Chocante ou "Morfinante"?


"Pára pai! Pára pai!" talvez tenha sido a frase que levou o ocorrido a tanto clamor público, curiosamente essa frase pareceu mal interpretada pela imprensa, pois o que ficou assentado no inquérito policial foi: "papai... papai... pára! pára!"

De qualquer forma, seja por sobreexposição da mídia ou por afetar os nossos valores mais íntimos, o fato ganhou destaque. E não importa quem é o culpado, o crime foi, de certa maneira, um analgésico. Analgésicos não são bons para dor de cabeça? Então. O Caso Nardoni é ainda mais que um simples lenitivo, é uma boa morfina.

Ele espelha a imagem das pessoas boas que o recriminam. Afinal, eu nunca faria aquilo com meu próprio filho. Homicídios acontecem aos montes todos os dias, mas se tratam de apenas bandidos, diferente de um casal de classe média alta que joga a criança inocente deles pela janela de um edifício -- esse sim revela pessoas realmente más. E como a maioria não faz isso, somos morfinizados pela boa sensação de ter sentimentos nobres e alívio da culpa.

Culpa? Que culpa? Aquela que é intrínseca aos humanos. O mal interno, os ranços, os atos que prejudicam os outros, os segredos inconfessos, o banco dos réus no qual estamos inconscientemente sentados. E com tudo isso, ficamos isentos da responsabilidade de reparar qualquer erro. De fato. Os Nardoni são mais que criminosos, são grandes dopadores.

Mas não me entenda mal, isso não é uma crítica, apenas um fato.

4 comentários:

Cacilhας, La Batalema disse...

Eduardo,

Não entendi sua posição perante o fato… na verdade acho que essa foi sua intenção no texto, não?

Minha posição é a seguinte: é um crime hediondo, impensável, intolerável, e os responsáveis devem pagar da forma mais dura possível.

No entanto a mídia transformou tudo num circo para, em suas palavras, morfinizar a massa. Panis et circensis.

Assim os mais pobres podem sentir-se vingados por sua posição social ao ver «ricos» – não que eles seja ricos, mas é como os menos favorecidos os veem – sofrendo punição.

Em suma, um verdadeiro carnaval, ou ainda vitória do Framengo.

É mais um episódio da novela das oito, onde você ainda não sabe se já é a hora do vilão pagar por seus crimes.

Assim impera uma falsa sensação de justiça realizada, vingança concluída, e todos continuam suas vidinhas medíocres sem se importar com a corrupção do sistema.

[]'s
Cacilhas, La Batalema

Eduardo Willians Bandeira de Melo disse...

"Morfinizar" e "morfinização", essas são as palavras. Eu havia procurado no dicionário algo assim, mas como não encontrei resolvi criá-las a meu modo :) Valeu pela dica.

Cacilhας, La Batalema disse...

Bem, Eduardo…

Eu também não pensei muito antes de usar a palavra. =/

Mas acho que a ideia é essa.

[]'s
Cacilhas, La Batalema

Luiz Roberto Lins Almeida disse...

o crime não é um simples resultado de uma equação social, né?