02 fevereiro 2018

Keynesianismo centenário

Há um país que merece um lugar de destaque no rol dos discípulos de Keynes: a Terra Brasilis. São cerca de 100 anos de história de fidelidade apaixonada às ideias dele — o Brasil já era seu seguidor antes mesmo dele ser conhecido.
Getúlio Vargas (1882-1954)

Duvida? Tome cada um dos ex-presidentes e veja se não se verificam as mesmas características: dirigismo econômico, reserva nacional de mercado, inúmeras tentativas de estabilizar a relação oferta-demanda, preço e emprego, intensas regulações sócio-trabalhistas, reiterados déficits orçamentários e diversas tentativas de induzir o crescimento econômico — tudo exatamente como receitado pelo economista britânico. Mas pasmem, nunca saímos do zero a zero.

Das duas uma: ou Keynes não funciona aqui ou... pausa e suspense... ele estava retumbantemente errado.

Sua força ideológica, entretanto, é tão extensa que até hoje os estudantes brasileiros de economia, em sua maioria, se formam keynesianos convictos — inclusive eu, que, mesmo não tendo cursado economia, adotava aquilo que imperava no meio acadêmico.
Adam Smith (1723-1790)


Mas há algo de interessante de se viver nessa época: estão chegando por aqui as ideias de um protestante inglês chamado Adam Smith, ainda que com um atraso de 200 anos.

Nenhum comentário:

02 fevereiro 2018

Keynesianismo centenário

Há um país que merece um lugar de destaque no rol dos discípulos de Keynes: a Terra Brasilis. São cerca de 100 anos de história de fidelidade apaixonada às ideias dele — o Brasil já era seu seguidor antes mesmo dele ser conhecido.
Getúlio Vargas (1882-1954)

Duvida? Tome cada um dos ex-presidentes e veja se não se verificam as mesmas características: dirigismo econômico, reserva nacional de mercado, inúmeras tentativas de estabilizar a relação oferta-demanda, preço e emprego, intensas regulações sócio-trabalhistas, reiterados déficits orçamentários e diversas tentativas de induzir o crescimento econômico — tudo exatamente como receitado pelo economista britânico. Mas pasmem, nunca saímos do zero a zero.

Das duas uma: ou Keynes não funciona aqui ou... pausa e suspense... ele estava retumbantemente errado.

Sua força ideológica, entretanto, é tão extensa que até hoje os estudantes brasileiros de economia, em sua maioria, se formam keynesianos convictos — inclusive eu, que, mesmo não tendo cursado economia, adotava aquilo que imperava no meio acadêmico.
Adam Smith (1723-1790)


Mas há algo de interessante de se viver nessa época: estão chegando por aqui as ideias de um protestante inglês chamado Adam Smith, ainda que com um atraso de 200 anos.

Nenhum comentário: